No Princípio, era o Verbo

 

Pr. Airton Evangelista da Costa

O texto “No princípio, era o Verbo” é a abertura do Evangelho de João (João 1:1), e é uma das declarações mais profundas sobre a divindade de Jesus Cristo no Novo Testamento. Vamos analisar esse versículo em partes:

  1. *”No princípio“*: Esta frase remete ao início de tudo, à criação do universo, similar à abertura do Gênesis: “No princípio, criou Deus os céus e a terra” (Gênesis 1:1). Indica que o Verbo existia antes de toda a criação, sugerindo sua eternidade.
  2. *”Era o Verbo”*: A palavra “Verbo” traduzida do grego “Logos” é um termo filosófico e teológico que carrega a ideia de razão, palavra, e princípio ordenador. Na filosofia grega, Logos é o princípio racional que governa o universo. Na teologia judaica, é a Palavra de Deus através da qual Ele criou o mundo. Ao se referir a Jesus como o “Verbo”, João está afirmando que Ele é tanto a razão criativa quanto a revelação de Deus.
  3. *”E o Verbo estava com Deus“*: Esta frase destaca a distinção de pessoas dentro da Trindade. O Verbo estava em comunhão íntima e eterna com Deus Pai, indicando uma relação pessoal e não meramente uma força impessoal.
  4. *”E o Verbo era Deus”*: Esta é uma declaração inequívoca da divindade de Jesus. João afirma que o Verbo não é apenas um ser distinto, mas é da mesma essência de Deus. Esta afirmação refuta qualquer noção de que Jesus é uma criação ou um ser inferior a Deus Pai.
  5. *”E o Verbo se fez carne e habitou entre nós“* (João 1:14): Este versículo complementa a declaração inicial ao revelar a encarnação do Verbo. Jesus, sendo Deus, tomou sobre si a natureza humana e viveu entre os homens. Isso enfatiza tanto a divindade quanto a humanidade de Cristo.

Em resumo, João 1:1 estabelece a preexistência, a divindade, e a relação íntima do Verbo com Deus, preparando o terreno para a compreensão de Jesus Cristo como a manifestação completa de Deus em forma humana. Este texto é fundamental para a doutrina cristã da Trindade e da encarnação, sublinhando que Jesus é verdadeiramente Deus e verdadeiramente homem.

Produção: Inteligência Artificial

                        Testemunhas de Jeová

Com o objetivo de adaptar a Palavra de Deus à doutrina da Organização, a Tradução do Novo Mundo procedeu a seguinte alteração do texto de João 1.1, ficando assim:

“No princípio era a Palavra; E a Palavra estava com Deus; e a Palavra era [um] deus”.

Comentários

1 – “No princípio” – Como se vê em Gn 1.1, “no princípio” significa antes de coisas as coisas criadas, antes de tudo. Logo, o Verbo ou a Palavra é preexistente à Criação de todas as coisas. A Palavra ou o Verbo foi agente da criação (Jo 1.3).

2 – “A Palavra estava com Deus” – Sinaliza uma pluralidade da divindade: O Verbo unido em essência com o Pai, eternamente, antes da  Criação.

3 – “A Palavra era [um] deus” – A Tradução do Novo Mundo usou “era [um] deus” em lugar de “a Palavra era Deus, como está na Bíblia. Na verdade, uma alteração grosseira, pelos seguintes motivos:

  1. a) “Era [um] deus” destoa dos dois enunciados anteriores – “No princípio era a Palavra e a Palavra estava com Deus”. Aqui fala da eternidade do Verbo ou da Palavra, porque existente antes da fundação do mundo.
  2. b) “[um] deus” – A introdução do artigo indefinido “um”, entre colchetes, é o que há de mais grosseiro. Colocado entre colchetes está declarado que tal artigo não consta dos originais. A TNM quis transmitir a ideia de que o Verbo é desde a eternidade é um deus menor.
  3. c) Antes de todas as coisas criadas, existiam um deus maior, o Pai, e um deus menor, a Palavra? Ora, só Deus possui o atributo da eternidade. Se o Verbo ou a Palavra é eterno, logo é Deus.
  4. d) Para arrematar, vejamos Colossenses 2.9: “Porque nele [em Jesus] habita corporalmente toda a plenitude da divindade”.

 

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *