MORMONISMO – Significado

Movimento que se autodenomina “Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias”. Trata-se de uma seita herética, cujas origens remontam ao século XIX. Seu fundador foi Joseph Smith Jr., norte-americano nascido em 23/12/1805 e falecido em 1844, num cárcere. Sua mocidade foi marcada pela indolência, sendo influenciado pelo misticismo de sua mãe, que afirmava possuir revelações de Deus. Smith, desde seus 15 anos afirmava ter começado a ter visões de Deus. Ele alegava que em 1820, viu o Pai e Seu Filho Jesus Cristo, tendo lhes perguntado qual a religião verdadeira e como resposta, ele teria ouvido que todas as Igrejas haviam se apostado e que seus Credos eram abomináveis. Daí surgiu o Mormonismo. Existe ainda outra versão que diz afirma que Smith, aos 17 anos, recebeu uma visita de um anjo chamado Moroni, que lhe dava uma missão de desenterrar algumas placas de ouro, nas quais continha a base do livro dos Mórmons. Assim, em 6 de abril de 1830, Smith e mais cinco de seus amigos fundaram a “Igreja e Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias”, pois acreditavam que as demais Igrejas não possuíam as revelações que eles possuíam. Aí nascia uma das mais perigosas seitas heréticas dos últimos tempos. Alguns erros doutrinários graves: 1) os mórmons dizem crer que a Bíblia é a Palavra de Deus, mas somente quando bem traduzida; no entanto, crêem que o livro de Mórmon é a Palavra de Deus sem restrições; 2) afirmam que como o homem é, Deus foi; como Deus é, o homem poderá vir a ser; ou seja, negam o poder sem limites de Deus, bem como a Trindade; 3) afirmam que existem três deuses; e que o Pai e o Filho possuem carne e osso, mas o Espírito Santo, não; 4) pregam um Jesus diferente (veja 2Co 11:4), afirmando que Ele foi polígamo e que foi criado pelo Pai e pela mãe celestial, e que Lúcifer é irmão de Jesus. São tantos os absurdos dessa heresia, que desejamos citar apenas mais um: os mórmons acreditam que a Divindade seja uma família composta por Deus e Suas esposas, Seus filhos (Jesus e Satanás), e Suas noras, genros e netos.

FONTE: Dicionário Teológico Brasileiro Lázaro Soares de Assis

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *