Igreja Perseguida: Cristãos Torturados

Polícia prende cristãos por realizar culto em casa e tortura dois até a morte

No país africano Eritréia, dois cristãos foram torturados até a morte pela polícia local, na última terça-feira, 17/10. A prisão dos religiosos acontecera dois dias antes, enquanto eles realizavam um culto numa casa particular no sul de Asmara. De acordo com a agência de notícias Compass, as vítimas Immanuel Andergergesh, de 23 anos, e Kibrom Firemichel, de 30, morreram por causa dos graves ferimentos causados pela tortura e séria desidratação num campo militar nos arredores da cidade de Adi-Quala.

No último domingo, 15/10, a polícia invadiu um culto particular e prendeu 12 cristãos. Immanuel e Kibrom faziam parte do grupo. Entre os outros dez, tinham três mulheres e sete homens, todos membros da Igreja Evangélica Rema. Segundo uma fonte que preferiu não se identificar, os religiosos foram submetidos a “maus-tratos selvagens”. O destino dos dez cristãos ainda é desconhecido. Já Immanuel e Kibrom foram enterrados na última terça-feira pela própria polícia, num lugar próximo à fronteira com a Etiópia.

Segundo o site de notícias Portas Abertas, o governo da Eritréia continua sua campanha contra cristãos. No início deste mês, a cantora Helen Berhane voltou para a prisão após ter passado três dias hospitalizada por causa das agressões sofridas durante a detenção, que ocorreu em maio de 2004. A polícia local também prendeu um cristão americano e seu assistente no início de outubro. Os homens permanecem detidos.

O governo da Eritréia só reconhece as religiões ortodoxa, católica, luterana e muçulmana, desde maio de 2002. Todas as igrejas protestantes independentes tiveram seu registro negado e foram consideradas ilegais. Depois dessa data, todas as pessoas flagradas realizando cultos que não pertencem às instituições sancionadas pelo governo – mesmo que em casas particulares – vêm sendo presas, torturadas ou submetidas à forte pressão para negar sua fé.

Fonte: ELNet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *