Compradores Compulsivos

“Por que gastais o dinheiro naquilo que não é pão? E o produto do vosso trabalho naquilo que não pode satisfazer?” (Is 55.2).
Embora o texto seja um convite para que busquemos satisfazer nossa fome espiritual mediante o perdão e comunhão com Deus, com base na morte sacrificial do Messias, aproprio-me dele para refletir sobre a gastança com supérfluos, ou seja, com aquilo que ultrapassa a necessidade.
A propaganda comercial nos induz a comprar. O marketing empresarial age em nosso cérebro e cria a compulsão pelo consumo, um apetite difícil de ser controlado.
Há compulsão por jogos, por atividade física, por alimentação, e outras. Falemos da compulsão por compras. Os consumidores compulsivos são conscientes de suas fraquezas. Mas, resistir como? Como criar uma força interior capaz de controlar a compulsão ou atenuar seus efeitos maléficos?
No Brasil – dizem as estatísticas, milhões de famílias estão endividadas em razão do excesso de compras pelo cartão de crédito. Vejam esta notícia de 2017: “O percentual de famílias endividadas no país cresceu de 56,4% em junho para 57,1% em julho deste ano… dados Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC)”. Quando um endividado, depois de ingente sacrifício, consegue sair do aperto, fica feliz em saber que seu crédito foi restabelecido e assim pode voltar a consumir como vinha fazendo. E tudo volta como era dantes. Sem receio de errar, pessoas há que gastam com supérfluos, ficam endividadas e o pão falta na sua mesa.
Quais as causas desse descontrole? As pessoas que valorizam o “ter”, ou seja, a posse de bens como meio de felicidade são as mais vulneráveis. O problema está em que a medida do “TER” nunca é preenchida. Haverá sempre um vazio que poderá ser preenchido com a compra do último lançamento do celular, da bolsa, do sapato, do terno da moda.
A compulsão pelas compras pode ter origem em problemas de saúde. “De acordo com um estudo da pesquisadora Astrid Mueller, do University Hospital of Erlangen, na Alemanha, feito com 171 portadores de oniomania (nome científico para o transtorno de compras compulsivas), 90% desses pacientes também sofriam de outros transtornos psiquiátricos, ou sofreram ao longo da vida. Os mais comuns são depressão (74%) e ansiedade (54%), mas há também uma parcela que enfrenta ou enfrentou transtorno bipolar (TAB), transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) e Síndrome de Borderline. O termo técnico para uma situação onde um indivíduo possui dois ou mais transtornos é comorbidade”.
O tratamento da oniomania pode envolver a psicoterapia e psiquiatria.
As vítimas desse distúrbio são incapazes de reservar mensalmente parte do seu salário para depósito em conta bancária de poupança, a fim de se prevenir contra “o tempo das vacas magras”, tais como uma enfermidade, perda de emprego ou qualquer outro tipo de imprevisto. Pelo uso imoderado do cartão de crédito, gastam mais do que ganham.
A palavra do Senhor nos ensina a termos temperança, sobriedade, autocontrole e equilíbrio em todas as coisas (1 Ts 5.6, 8; 1 Tm 3.2; 2 Tm 4.5; 1 Pe 5.8).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *