Coca-Cola – Bebida Saudável?

De acordo com Art. 31 do Código de Defesa do Consumidor, Lei 8078, de 11.09.1990, os fabricantes são obrigados a divulgar, a respeito de seus produtos, “características, qualidade, quantidade, composição, preço, garantia, prazos de validade e origem, entre outros dados, bem como sobre os riscos que apresentam à saúde e segurança dos consumidores”. O item “composição” compreende todos os ingredientes que foram utilizados na sua fabricação. No caso da Coca-Cola, há a informação de que um “Extrato Vegetal” compõe sua fórmula. Essa informação é incompleta, pois há uma enorme variedade de vegetais.

A Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados está empenhada em saber que tipo de vegetal é utilizado pela Coca-Cola no fabrico do refrigerante. Extrato de tomate, de cenoura, de alface, ou extrato da folha de coca donde se fabrica a cocaína?

Até o momento, pelo que tem sido noticiado na mídia, os representantes da empresa não responderam satisfatoriamente à simples pergunta: De que vegetal a empresa retira o extrato usado na fabricação do refrigerante?

O assunto já extrapolou o âmbito dos trabalhos dessa Comissão de alto nível e chegou às ruas. Milhões de brasileiros, velhos, jovens e crianças, consumidores do refrigerante desejam saber o que estão consumindo. É um direito que lhes é assegurado por lei.

O argumento de que a informação colocaria em risco o sigilo empresarial da fórmula não procede. O Extrato Vegetal é apenas um componente. Os consumidores, representados pelos deputados, não desejam saber outros aspectos inerentes à fórmula, mas apenas que vegetal é utilizado.

Enquanto não vem a resposta, cada consumidor ficará atento ao andamento do processo de investigação. Antes de tudo, podemos fazer uma análise simples. Sabe-se que existe uma forte desconfiança de que o extrato seja de folha de coca (“Coca”: 1.“arbusto eritroxiláceo cujas folhas e cascas encerram alcalóides; 2. Cocaína – Dicionário Aurélio). Comecemos por examinar detidamente o nome Coca-Cola. A primeira parte do nome é COCA. Não quero admitir que a resposta às indagações esteja no próprio nome do produto. Ora, a palavra “coca” lembra folha de coca e cocaína, droga que tem vitimado milhões de pessoas no mundo. A segunda parte desse nome composto é COLA, que nos lembra a “cola de sapateiro”, um entorpecente inalante que provoca sérias perturbações físicas. Mas essa inferência não nos conduz à verdade. Todavia, é intrigante e curioso saber que “até 1915, o refrigerante tinha como um de seus ingredientes uma pequena quantidade de cocaína”, como está dito sem rodeios no seguinte site:
www.guiadoscuriosos.com.br/lista.asp?id_cur=8343&id_cur_sub=8343

São fatos que precisam ser explicados à comunidade de consumidores, dentre os quais há milhões de evangélicos.
12.01.2005

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *