Poesias

O Sequestro da Rosa

Em determinado período do ano faltou água na região; vários meses sem chover. O único poço existente secou. Morreram as plantas; morreram os roseirais. O jardineiro, que todos os dias regava seu jardim, contemplava, desolado, as folhas secas varridas por um vento quente. Numa certa noite enluarada, quando passava solitário

Serenai verdes mares

Primeiramente, a Serra da Ibiapaba com seus esplendorosos declives e aclives, seu clima característico, suas cidades encantadas. Lá, conheci a primeira obra gigantesca da natureza, no Ceará. Depois, Fortaleza ensolarada e acolhedora. E caminhos, muitos caminhos que levam a muitas cidades. A terra é de quando em vez batida pela

Poema das Mãos

MÃOS QUE APONTAM CAMINHOS MÃOS QUE SE UNEM NUMA PRECE MÃOS DE CARÍCIAS, DE CARINHO MÃOS QUE MATAM E DESTROEM MÃOS QUE OFERECEM ROSAS MÃOS QUE ATIRAM ESPINHOS MÃOS SOFRIDAS, MÃOS CALOSAS MÃOS QUE ACENAM NAS DESPEDIDAS MÃOS DOS MENDIGOS ESTENDIDAS MÃOS QUE ABENÇOAM MÃOS DE ANÉIS RELUZENTES MÃOS QUE

As Cachoeiras

Podemos aprender muito com as cachoeiras. A sua beleza está na sua doação. Elas se precipitam para o sacrifício da doação. Criam um clima de exuberância plena, de plena paz, de beleza ímpar, e revelam a obra do Criador. A sua vitalidade não está em si mesmas: está na fonte

Beijo no coração

Ouve-se aqui e alhures esse tipo de saudação, semelhante à do beijo na alma. Desde então comecei a meditar no caso. O que leva uma alma a desejar beijar outra alma? Alma e coração se confundem nessa saudação fraternal. Que sentimentos povoam mente e coração para expressar tão nobre e

A Carta

Querida, Inicialmente, desculpe-me pelo romantismo até certo ponto exagerado. Cassado que fui na comunicação telefônica, restou-me falar-lhe pelo pensamento, onde a encontro todas as horas. E nas canções, onde você está. Digo-lhe isto porque senti frieza na sua última fala ao telefone. O presente que acompanha esta carta é um