ATRIBUTOS MORAIS DE DEUS – Significado

Os atributos morais de Deus, são aqueles relacionados com Seu caráter. Vejamos os atributos de santidade, amor, miseri­córdia e graça, considerados pelos estudiosos como os mais destacados: 1) a Santidade de Deus: o substantivo hebraico qodesh envolve a idéia de “sepa­ração”, “santidade”. É derivado do verbo qadash, “separar” e está relacionado com o adjetivo qadosh, “santo”, enfatizado na visão de Isaías (Is 6:3). Estes termos hebraicos estão relacionados com outros termos, também hebraicos, que significam “glória”, “honra”, “abundância” e “peso”. Em suas várias formas e derivações, esta palavra é usada por mais de oitocentas e trinta vezes só no Pentateuco, o que ilustra claramente a sua importância para os hebreus. A “santidade”, em seu sentido mais sublime, é aplicada a Deus. Isto é demonstrado pelos seguintes fatos: a) Deus está se­parado da criação, mesmo daquela porção que não foi maculada, os seres angelicais; b) Yahweh é, pois, transcendental, fazendo con­traste com os outros deuses (Êx 15:11) e mesmo com a criação inteira (Is 40:25); c) Deus é a essência absoluta da santidade, da bondade e da retidão; d) a santidade de Deus é perfeita e inspiradora (Sl 99:3); e) a santidade de Deus é incomparável (Êx 15:11; 1Sm 2:2); f) a santidade de Deus deve ser magnificada (Is 6:3; Ap 4:8) e imitada (Lv 20:7,8; 1Pe 1:15,16); 2) o Amor de Deus: Amor é aquele atributo de Deus pelo qual Ele se in­clina a buscar os melhores interesses de Suas criaturas e a comu­nicar-Se a elas, a despeito do sacrifício que nisso está envolvido; ou, como definição alternativa, o amor de Deus é seu desejo pelo bem estar desses seres amados e o deleite que tem nisso. O Amor de Deus é amplamente ensinado nas páginas das Sagradas Escrituras (e.g. Mt 5:44,45; Jo 3:16; 1Jo 4:7,8,16); 3) a Misericórdia e a Graça de Deus: o termo “misericórdia” tem seu emprego mais freqüente no Antigo Testamento, ao passo que o termo “graça” é mais freqüentemente encontrado no Novo. A misericórdia de Deus é misericórdia santa, que sabe perdoar o pecado, porém não protegê-lo; é um santuário para quem se arrepende, mas não para quem dela presume. A Bíblia ensina sobejamente que Deus é misericordioso (e.g. Dt 4:31; Sl 103:8; 145:8; Lm 3:22). A graça de Deus é Seu favor imerecido, contrário ao merecimento, mediante o qual a penalidade merecida e conseqüente é suspensa, e todas as bênçãos positivas são concedidas ao crente arrependido. Graça”, é um vocábulo moderno usado no NT para tradu­zir a palavra grega charis, que significa “favor” sem recompensa ou termo equivalente. Se houver qualquer ato compensador ou pagamento, por mais ligeiro e inadequado não se trata mais de charis. Quando empregado para denotar determinada atitude ou ação de Deus para com o homem, faz então parte da própria essência da questão é que o mérito humano seja totalmente excluído. A misericórdia perdoa; a graça justifica. A Bíblia ensina claramente a graça de Deus (e.g. Rm 3:24; Ef 2:8-10; Tt 2:11,12). O caminho para o céu não atravessa uma ponte de pedágio, e, sim, uma ponte livre, a saber, a graça não merecida de Deus, em Cristo Jesus.
FONTE: Dicionário Teológico Brasileiro Lázaro Soares de Assis

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *