A deusa igualdade

Norma Braga
http://normabraga.blogspot.com/

Em 1984, romance de George Orwell, os membros do partido único, vigilantes mantenedores da ordem em um sistema cruel, eram cuidadosamente treinados para tal, por meio de programas que violentavam suas consciências e os reduziam a robôs de reações automatizadas. Hoje, a programação é mais sutil e voluntária, porque feita sob o signo do amor — o amor politicamente correto, não o amor cristão. Mas qual a diferença?

Quando estamos firmados no amor de Cristo, não nos iludimos sobre a natureza humana (“Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus”, Romanos 3:23). O amor cristão nos faz estar de olhos bem abertos para o pecado, primeiro o próprio (“tira primeiro a trave do teu olho”, Mateus 7:5), em seguida o alheio (“Saiba que aquele que fizer converter do erro do seu caminho um pecador, salvará da morte uma alma, e cobrirá uma multidão de pecados”, Tiago 5:20). O amor cristão também nos faz cuidar da igreja alertando contra falsos ensinamentos (“Aos quais convém tapar a boca; homens que transtornam casas inteiras ensinando o que não convém, por torpe ganância”, Tito 1:11). Seu ápice se realiza na vinda de Cristo para que “todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3:16).

No entanto, a pregação da religião da igualdade, quando travestida de cristianismo, pede que, por serem todos pecadores, todos os homens sejam considerados igualmente santos; que ninguém seja convertido de erro algum; que os ensinamentos tortos e até de outras religiões sejam expressões de “pluralidade”, não desvios do Evangelho; e que a figura de Cristo e o conteúdo da fé sejam suficientemente vagos para que os que não crêem se sintam confortáveis com suas contradições e paralisias argumentativas. A palavra de ordem é: não confrontar, mas acolher, já que, no vocabulário do Novo Amor, confrontar e acolher são noções irreconciliáveis.

Nessa nova religião, que cisma em querer se chamar pelo nome de cristianismo, torna-se impossível fazer como os autores das epístolas do Novo Testamento, que advertiam seus irmãos sobre pecados, buscavam convencê-los de erros doutrinários e alertavam a igreja com relação a falsos mestres. Seus adeptos ancoraram-se dentro dos arraiais evangélicos brasileiros, em púlpitos e espaços virtuais, aproveitando-se da escassez de líderes confrontadores e zelosos da Palavra. Com liberdade suficiente para agir, assumem agradáveis e práticos acordos com o esquerdismo (pregam um Cristo socialista), o multiculturalismo (defendem sincretismos), o relativismo (não ligam para diretrizes morais), desobedecendo aos padrões bíblicos mais básicos. Quem quer que os contradiga em nome do verdadeiro Evangelho é ridicularizado, vilipendiado, acusado de “falta de amor” — e com requintes de crueldade verbal. Afinal, eles tudo amam, menos a verdade.

O maior alvo dessa nova religião é que todos dancem alegres e despreocupados em torno da deusa Igualdade*, em cuja testa se encontra estampado seu único compromisso: anular a cruz de Cristo.
* Definição para os afoitos. A igualdade segundo Deus é um atributo que vem das mãos Daquele que “faz chover sobre justos e injustos” (Mt 5:45). Já a igualdade segundo a autonomia humana é um ídolo que coleciona vítimas ao mesmo tempo em que sobrepõe à vontade de Deus as regras de “um outro mundo possível”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *