Razões Para Defendermos a Nossa Fé

“Retendo firme a fiel palavra, que é conforme a doutrina, para que seja poderoso, tanto para admoestar [advertir, censurar, repreender] com a sã doutrina como para convencer os contradizentes” (Tito 1.9).

“Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade” (2 Tm 2.15).

“Toda Escritura é divinamente proveitosa para ensinar, para redargüir [replicar argumentando], para corrigir, para instruir em justiça, para que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente instruído para toda boa obra” (2 Tm 3.16-17).

“Conjuro-te {atender sob juramento] que pregues a palavra, instes {insistir] a tempo e fora de tempo, redarguas [replicar argumentando, debater] repreendas, exortes [animar, aconselhar, induzir], com toda a longanimidade [paciência, intrepidez, coragem] e doutrina. Porque virá o tempo em que não sofrerão a sã doutrina; mas, tendo comichão [coceira] nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências; e desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas. Mas tu sê sóbrio em tudo, sofre as aflições, faze a obra de um evangelista, cumpre o teu ministério” (2 Tm 4.2-4).

“Antes, santificai a Cristo, como Senhor, em vosso coração. E estai sempre preparados para responder com mansidão e temor a qualquer que vos pedir a razão da esperança que há em vós” (1 Pe 3.15).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *