Intorelância Religiosa: Linchamento de Evangélicos

Intolerância Religiosa:
Linchamento de Evangélicos

Católicos ameaçam linchar evangélicos se não deixarem povoado

13/10/2005
CIDADE DO MÉXICO, México – A direção geral das Associações Religiosas do Ministério do Interior ordenou à Subsecretaria de Governo que intervenha na comunidade de San Nicolás, no município de Ixmiquilpán, a cerca de 270 km ao norte da Cidade do México, para evitar que católicos cumpram as ameaças de linchamento contra um grupo de evangélicos.
O titular do setor de Normatividade do Ministério do Interior, Francisco Javier Fernández Perroni, pediu ao subsecretário do Governo, Francisco González Vargas, para que os direitos e garantias constitucionais dos membros da Igreja Bethel sejam respeitados.
A crise entre a maioria católica e uma minoria evangélica teve início no fim de semana, depois que os moradores católicos desta comunidade de 8 mil habitantes concordaram em expulsar os evangélicos do povoado e confiscar o prédio onde iriam construir templo.
Segundo a revista Proceso, depois das ameaças dos católicos de novos linchamentos na comunidade de San Nicolás, as autoridades federais solicitaram que respeitem os direitos da minoria protestante.
O prefeito da localidade, Carlos Felipe Hernández, disse que vai manter a policia por perto enquanto a Subsecretaria do Governo tenta solucionar o conflito constituindo uma mesa de diálogo.
Os moradores católicos determinaram que os evangélicos abandonem a região num prazo máximo de 30 dias. Do contrário, disseram, correm o risco de serem “detidos e enforcados”.
Os protestantes acusam os católicos e as autoridades de violarem a Constituição e a Lei de Associações Religiosas e Culto Público, que estabelecem como direito do indivíduo a livre escolha de crença religiosa.
No último dia 22 de agosto foi registrado incidente de intolerância religiosa, quando católicos impediram que Ponciano Rodríguez, líder evangélico, fosse sepultado no cemitério de San Nicolás. O caixão ficou exposto durante dois dias em praça pública até que a comunidade vizinha de Cerritos permitiu que o enterro ocorresse em seu cemitério.
Os conflitos religiosos não são novos em San Nicolás, onde foi firmado, em 2001, acordo de paz assinado por católicos e evangélicos. O Estado de Hidalgo, ao qual pertence o povoado, registrou nos últimos anos um notável crescimento da membresia protestante, em sua maioria indígenas que renunciaram ao catolicismo.
Fonte: Agencia Latino-Americana e Caribenha de Comunicação (ALC)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *