INQUISIÇÃO – Perseguição, Tortura e Morte – XII – Inquisição Protestante

Inquisição protestante

AO DIVULGARMOS aspectos da Inquisição da Igreja Católica, não temos por objetivo encobrir excessos promovidos por fanáticos protestantes, na Idade Média. Perseguir, torturar e matar em nome de Deus ou em nome de uma posição teológica é condenável sob todos os aspectos. História é história e não pode ser ignorada. Não há porque temer a verdade dos fatos. Entretanto, avaliamos que os procedimentos inquisitoriais de Roma superaram em alguns aspectos a violência protestante: (1) perseguição, tortura e morte foram expressos em documentos oficiais; e (2) o Santo Ofício se estendeu por quase setecentos anos e se instalou em vários países, inclusive no Brasil colonial; (3) o tamanho da máquina burocrática da Inquisição Católica, com milhares de servidores – por exemplo, “a inquisição espanhola foi servida por pelo menos nove mil funcionários remunerados e por 60 mil comissários e familiares” – evidencia o profissionalismo dos “trabalhos” e a vontade de perpetuar o domínio sobre todos os povos. Cabe a cada um, e principalmente aos pesquisadores independentes, avaliar qual das duas inquisições – a católica e a protestante – cometeu mais crimes contra a humanidade. Vejam abaixo artigos extraídos da internet:

Fonte: http://www.revistadehistoria.com.br/secao/artigos-revista/inquisicao-protestante

Na Inquisição, assim como os católicos, os protestantes também perseguiram os fiéis – com direito a torturas, execuções e espionagem da ‘polícia da fé.

Angelo Adriano Faria de Assis

27/10/2011

• A Inquisição não foi o único caso de intolerância movida em nome de Deus na Época Moderna. Embora não houvesse a institucionalização de tribunais similares aos do Santo Ofício, também foram usadas estratégias de controle da fé nos locais em que o protestantismo era dominante, levando à perseguição por crimes como adultério, discordância dos dogmas protestantes e bruxaria.

Na Alemanha, o líder protestante Martinho Lutero (1483-1546) exigiu perseguições aos anabatistas, grupo cristão mais radical da Reforma, porque, entre outras questões, eles não aceitavam as regras da Igreja Evangélica e divergiam sobre o batismo. A decisão causou a expulsão, o encarceramento, a tortura e a execução de milhares de pessoas. Lutero também divulgou textos com críticas aos judeus – embora sem maiores repercussões na época, estes escritos acabariam utilizados pela Alemanha nazista, em pleno século XX.

Polícia da fé

O teólogo e reformador João Calvino, o ‘papa de Genebra’, promoveu até espionagens e visitas às residências para vigiar a fé dos fieis. Imagem: Wikimedia Commons

Em Genebra, um dos berços da Reforma Protestante e onde ela se mostrou bastante radical, funcionou uma verdadeira “polícia da fé”. João Calvino (1509-1564), devido à sua autoridade sobre os protestantes suíços, era conhecido como o “papa de Genebra”. Ao organizar a Igreja Presbiteriana, instaurou comissões compostas de religiosos e leigos: a Venerável Companhia, responsável pelo magistério, e o Consistério, que zelava pela disciplina religiosa. Para isso, promovia confissões, denúncias, espionagens e visitas às residências, levando muitos à prisão, à tortura, ao julgamento e, em alguns casos, à morte.

A população era proibida de cultivar certos hábitos, como jogar, dançar e representar. Alguns pensadores foram perseguidos, como o médico e humanista espanhol Miguel Servet Griza. Ele foi preso, condenado e queimado em efígie – representado por um boneco. Fugiu em direção à Itália, mas acabou preso em Genebra, onde foi processado pelo Conselho presidido por Calvino e queimado por causa de proposições vistas como antibíblicas e heréticas, entre outras culpas.

Na Inglaterra, uma verdadeira caça às bruxas levou à morte centenas de mulheres acusadas de feitiçaria. A experiência persecutória inglesa foi ainda “exportada” para as colônias na América do Norte, como no famoso episódio das “bruxas de Salem”, ocorrido em Massachusetts, em fins do século XVII, em que várias adolescentes foram mortas, acusadas de promover reuniões em torno de uma fogueira nas quais, supostamente, invocavam espíritos.

Sem dúvida, não são poucos os exemplos de intolerância religiosa nos variados espaços que vivenciaram a Reforma Protestante, mas nada que representasse o equivalente dos estruturados tribunais inquisitoriais católicos.

=========================

Angelo Adriano Faria de Assis é professor da Universidade Federal de Viçosa e co-organizador de Religiões e religiosidades: entre a tradição e a modernidade. (Edições Paulinas, 2010).

=====================================

A INQUISIÇÃO PROTESTANTE

Fonte: http://jairclopes.blogspot.com.br/2010/01/inquisicao-protestante_27.html

A história da intolerância religiosa é farta em documentar e divulgar os horrores cometidos pela igreja católica durante a inquisição que vitimou mais de cem mil mulheres acusadas de bruxaria. Os historiadores geralmente se referem apenas à inquisição católica e nada falam sobre as atrocidades que ocorreram nos países protestantes. Ao contrário do que os círculos eruditos dizem, mas, especialmente a crença popular afirma, Lutero nunca foi exatamente um liberal, nunca teve como objetivo deixar que correntes religiosas outras fluíssem com liberdade para praticar o proselitismo, por exemplo. A atual doutrina luterana prega para seus fiéis que o protestantismo sempre foi liberal, sempre permitiu a livre expressão de vontade daqueles que seguiam outras religiões. Lutero, e sua Reforma, para todos os efeitos, é ainda considerado como tendo, em princípio, defendido a clemência; como tendo sido um defensor da liberdade religiosa de todos, quaisquer que tenham sido suas inclinações. Historicamente, contudo, nada é mais incorreto, a Reforma não foi um movimento em favor da liberdade intelectual. A verdade é exatamente o contrário. O núcleo duro do protestantismo reivindica para si a luta pela liberdade de consciência, entretanto, a história nos prova que onde eles eram predominantes, a liberdade religiosa era a primeira vítima, em seguida vinham as vítimas humanas propriamente. Conceder liberdade aos outros nunca lhes ocorreu enquanto eles eram o lado mais forte. A extinção completa da Igreja Católica e seus seguidores foram considerados pelos reformadores como algo totalmente natural e desejável. É quase uma regra considerar que apenas a inquisição católica praticou tortura. Contudo, a inquisição protestante diferia da católica apenas pela ausência de legislação que definisse as formas de se efetuar as perseguições, torturas e assassinatos; não havia um órgão central no comando, faltava, por assim dizer, “profissionalismo”; tudo parecia obra de amadores exaltados, parecia uma orquestra sem maestro onde cada um tocava seu instrumento ao seu talante. Nem por isso ela, a inquisição, foi menos tenebrosa e cruel; nem por isso foi menos perniciosa e desumana. Nem por isso foi menos abrangente no tempo e no espaço. Nem por isso ceifou menos vidas que a inquisição católica. Nas vilas e cidades conquistadas pelos fanáticos, os católicos eram normalmente afugentados, instados a abandonar todos seus pertences ou então deviam converter-se à nova fé, sob o risco de serem condenados a morte. Na Europa central, em especial na Alemanha, a perseguição a católicos e religiosos de outras denominações foi a marca registrada de uma religião tolerante na teoria, mas extremamente obtusa e radical na prática. As páginas que narram a ascensão da religião protestante foram escritas com sangue de seus êmulos. Por séculos, “caridosos” luteranos impuseram seus dogmas a outras pessoas, ou as empurraram ao patíbulo como segunda opção. Até no Brasil o fanatismo e a crueldade desses celerados deram as caras, aqui chegaram a bordo dos navios de Nassau. Calvinistas faziam parte das tripulações dos navios holandeses que chegaram para a invasão, e tudo indica que não se tratavam apenas catequistas piedosos e bem intencionados. Há relatos de massacres de sacerdotes e fiéis no norte do País em 1645, praticados pelos calvinistas radicais holandeses. Diante da história das Cruzadas e das Inquisições, torna-se quase compulsório inferir com toda propriedade que, na história da humanidade, em nome de Deus, já se matou mais gente que sob o nome de seu oposto. JAIR, Floripa, 27/01/10.

POSTADO POR JAIRCLOPES ÀS 09:41

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *