Gambiarras Espirituais: Correntes milagrosas, apelo aos mortos e outras banalidades

Chamo de “gambiarras espirituais” aquele jeitinho de conseguir bênçãos divinas utilizando-se de meios sem nenhum respaldo bíblico. A gambiarra objetiva evitar o caminho estreito da obediência, do arrependimento, da entrega da vida a Cristo e do viver em santidade. Apelam para o caminho largo dos atalhos, sem cruz e sem compromisso com a Verdade. Um desses atalhos é comprar um objeto ungido – uma vassoura, ou uma caneta, ou um copo d’água para ter prosperidade, aliviar dores físicas e afastar o mal.
As “correntes milagrosas” prometem: se for enviada a uma quantidade determinada de pessoas, você receberá uma boa surpresa, ou suas dívidas serão anuladas, os desejos do seu coração serão atendidos. Muitos caem nessa heresia porque desconhecem as Escrituras e o poder de Deus, como disse o Senhor Jesus (Mt 22.29). O Senhor diz: “Entrega o teu caminho ao Senhor, confia nele, e tudo Ele fará” (Sl 37.5).
Outra gambiarra é o apelo aos espíritos de pessoas falecidas, que em vida, presumem, viveram em santidade, hoje estão no céu e estão credenciadas a intermediar as rezas dos vivos junto a Deus. Nada mais enganoso. Em toda a Bíblia, de Gênesis a Apocalipse, não há uma só reza dirigida aos mortos; Deus nunca designou qualquer falecido para ser mediador entre Ele e os homens; nem outorgou poderes a qualquer morto para substituí-lo como Pai das nações, Protetor das cidades. Pelo contrário, diz o Senhor: “Se o meu povo, que me chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face, e se converter de seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados e sararei a sua terra” (2 Cr 7.14). As gambiarras buscam burlar esse caminho.
Os produtores de “correntes” mais das vezes recorrem aos sentimentos de compaixão dos destinatários. Apresentam uma história triste, um testemunho impactante de lutas, de enfermidades, não raro envolvendo crianças, e disparam: repassem esta mensagem para o maior número possível; você será abençoado. Outras asseveram em tom de ameaça: se você crê em Deus, diga AMÉM. E os incautos chegam à tola conclusão de que se não responderem com um AMÉM estão em falta com Deus, não temem a Deus e poderá perder a salvação. Ridículo! Já pensou uma mensagem respondida com um milhão de “AMÉNS”?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *