Articles by Airton Costa

88.99.141.5

Distanciamento da Bíblia israelita das demais versões, concernente à clara afirmação da divindade do Filho, em João 1.1

APLICO à BÍBLIA ISRAELITA o que é dito abaixo sobre a Tradução do Novo Mundo das Testemunhas de JEOVÁ: “Esta tradução não tem nenhuma autoridade, exceto para os que a fizeram e para os seus fiéis seguidores, e deve ser rejeitada como uma perversão da Palavra de Deus.” https://biblehub.com/john/1-1.htm João

Alguns grupos religiosos colocam o artigo definido antes da frase “Deus Pai” com o intuito de indicar uma superioridade absoluta do “Pai” sobre o “Filho” e o “Espírito Santo”. A Sociedade Torre de Vigia assim procede. A Bíblia Sagrada não usa esse artigo definido. A STV deixa bem clara a intenção de apontar a superioridade do Pai sobre o Filho, ao registrar João 1.1,2 do seguinte modo: “No princípio era a Palavra, e a Palavra estava com o Deus, e a Palavra era [um] deus”. “Este estava no princípio com o Deus”. O Filho seria “um” deus – isto é, um deus menor, igual a tantos outros deuses. A aberração dessa adulteração da palavra está no fato de que o artigo indefinido “um” se encontra entre colchetes, indicando que se trata de um enxerto, uma adição ao texto original. Na Bíblia Israelita, é usada a palavra “Eterno” no lugar de Deus. Nessa Bíblia, João 1.1 está assim: “No princípio existia a palavra, e a palavra estava com o Eterno, e a palavra era divina”. Aqui vemos a mesma intenção de negar a divindade absoluta do Filho. No final, onde a Bíblia Sagrada diz “… e o Verbo era Deus”, a Bíblia Israelita declara que o Filho é divino. É divino, mas não é Deus? O texto diz que o Filho (a Palavra ou o Verbo) existia desde o “princípio”. “No princípio”, em Gn 1.1 e João 1.1, significa antes de todas as coisas criadas. Logo, o Filho preexistia “com Deus” (“O Verbo estava com Deus”, Jo 1.1) antes da criação do mundo (Cl 1.15.19). Na verdade, os escritores da Bíblia Israelita disseram que o Filho é divino, mas não é eterno. Mas como explicar que Ele ESTAVA com o Eterno antes de todas as coisas criadas? A origem do nome “DIVINO” é hebraica, e significa consagrado a Deus, proveniente de Deus, perfeito, sublime, excelente. Daí porque as Escrituras Hebraicas dizerem que Jesus é divino sem que caírem em contradição. É possível ser Criador e não ser Deus; ser Criador de todas as coisas e não ser Eterno? Vejam: João 1.3, Bíblia Sagrada: Todas as coisas foram feitas por ele [o Filho]. E sem ele nada do que foi feito se fez. [ (V. Colossenses 1.16-17). João 1.3, Bíblia Israelita: Todas as coisas foram criadas por intermédio da palavra, e sem ela nada do que foi criado se fez. João 1.3, Bíblia das testemunhas de Jeová: Porque mediante ele foram criadas todas as [outras] coisas nos céus e na terra… Todas as coisas foram criadas por intermédio dele e para ele. Os que negam a divindade de Jesus fazem alterações no texto para que a Palavra se harmonize com suas doutrinas. Mas nem sempre essas emendas dão certo, como é o caso da Escritura israelita que diz que o filho é divino, mas não é Eterno. Nenhuma emenda significativa foi possível fazer em Cl 2.9. Bíblia Sagrada: Nele [no Filho] habita corporalmente TODA a plenitude na divindade; e em Cl 2.17: Ele é ANTES de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por ele. Cl 2.8, Bíblia Israelita: Porque nele mora corporalmente toda a plenitude da divindade. Se o Filho possui na sua plenitude e de forma absoluta os atributos da Divindade, de onipresença, onipotência, onisciência, eternidade e imutabilidade, concluímos que Ele o Criador de todas as coisas e, portanto, é “antes de todas as coisas”. Se tivesse sido criado, não seria antes de todas as coisas. A não ser que os judeus não convertidos e as seitas de um modo geral admitam que “O Deus Pai” criou outro Deus igual a Ele, com os mesmos poderes e os mesmos atributos, dando a este o poder de criar o mundo material e espiritual. Se assim for, estão os adversários admitindo o politeísmo, isto é, a existência de dois DEUSES, ao contrário do que revelam as Escrituras. Mas teriam que explicar Gênesis 1.1, Bíblia Hebraica: “Em [um] princípio, o Eterno criou os céus e a terra”. Perguntamos: Houve dois princípios? Num determinado princípio, o Eterno criou alguma coisa; em outro momento o Filho criou o restante? Mas não é isso que diz a Palavra: “Porque nele foram criadas TODAS AS COISAS QUE HÁ NOS CÉUS E NA TERRA, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades. TUDO foi criado por ele e para ele” (Cl 2.16-1). E é isso mesmo que está na Bíblia Israelita.