Ainda Existe Ética Cristã?

A palavra Ética não aparece na Bíblia, mas ela está presente em toda a Bíblia. Existe uma Ética Cristã que precisa ser vivida. Ética cristã é um conjunto de maneiras, de normas, de portar-se, de viver, fundamentadas no princípio da Fé e do Amor.

Há uma ética a ser vivida nos relacionamentos. Nosso convívio deve ser marcado pelo respeito, pela verdade (mas cuidado: você pode estar falando uma verdade e estar sendo anti-ético para quem você disse, onde você disse e como você disse. É comum ouvirmos dizer: “Eu falo a verdade mesmo…” e sai por aí destruindo vidas e relacionamentos).

Há uma ética no trato de uns com os outros. Respeitar o outro na sua condição faz parte da ética cristã. É ético dizer “por favor”, dizer: “Errei, me perdoe”. É ético ser comedido nas palavras. É ético falar num tom amigável. É ético olhar a todos com “olhos bons”.

Há um ética a ser vivida no púlpito. Eu preciso me perguntar sempre: aquilo que eu vou falar vai edificar? Aquilo que eu estou ensinando aos meus irmãos é padrão de Deus ou é meu-padrão? Podemos ver isso claramente quando Pedro insistiu com Paulo para circuncidar os novos convertidos: aquilo era o padrão dos judeus, mas Paulo resistiu bravamente e não circuncidava os novos crentes. Ou seja: o padrão de Pedro valia para Pedro e para os judeus, mas Paulo demonstrou aos Gálatas que não valia para os demais crentes!

O apóstolo Paulo tinha uma ética cristã a ser vivida. Ele relutou em pregar aos Romanos, pois outros discípulos já haviam levado o Evangelho para aquela cidade e ele sentia-se constrangido em “edificar sobre fundamento alheio” (Rm 15.20b).

Glória a Deus por essa lucidez. Oro para que pastores e igrejas entendam essa ética. Hoje nossas igrejas são “invadidas” por pessoas ávidas em pescar peixes em aquário ao invés de buscarem os que estão morrendo sem Cristo nas sarjetas, nos bares, nas ruas, nas favelas. Alguns pastores chegam a oferecer recompensas para que membros mudem para suas igrejas.

Durante dois anos aconselhei e acompanhei nas suas lutas uma irmã da Igreja Batista. Ela vinha ao meu gabinete, conversávamos e orávamos. Mas sempre respeitei sua condição de batista e nunca insinuei que ela precisava vir para minha igreja para Deus abençoá-la. Isso chama-se ética.

Certa vez um pastor de uma denominação irmã pregou em minha igreja sobre “predestinação”. Mal-estar geral: somos arminianos. Algum tempo depois ele me convidou para pregar em sua igreja: usei um texto bíblico que vale para todos os cristãos. Saímos todos edificados! Da mesma forma jamais pregaria em uma igreja pentecostal sobre as “virtudes do batismo por aspersão”, nem faria apologia do “batismo infantil”. Por que? Questão de Ética.

Graças a Deus o povo evangélico tem crescido muito no Brasil. Mas já vai longe o tempo em que alguém dizia ser protestante e viam naquela pessoa uma Ética, um caráter, uma coerência, uma honestidade, uma “maneira diferente” de ser. Hoje, quase não se consegue distinguir entre um crente e um não-crente. E o meu diagnóstico é claro e pessimista: a anarquia religiosa que vivemos hoje tem produzido um povo crente que quer derrotar potestades no mundo sobrenatural mas é derrotado no trato de uns com os outros no cotidiano natural. A fé sem ÉTICA é morta.

Daniel Rocha, pastor da Igreja Metodista em Itaberaba, S.Paulo e Psicólogo
E-Mail: [email protected]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *