AIDS – A maior epidemia da história humana

PESQUISA – Informações e artigos de fontes diversas

Comentários: AIDS – A maior epidemia da história humana. Os números assustam: Vinte milhões de mortes em vinte anos; 1.000.000 por ano; 84.000 por mês; 2.800 por dia; 38.000.000 de infectados no mundo; cinco milhões de infectados a cada ano. A epidemia cresce numa progressão aritmétrica. A Bíblia tem razão: cada homem possua a sua própria mulher; devemos fugir da prostituição e dos vícios; o adultério é pecado abominável; relacionamento sexual somente no casamento.
Pr Airton Costa

NOTÍCIA:

06/07/2004
Aids atinge 38 milhões de pessoas no mundo, diz ONU

www1.folha.uol.com.br/folha/mundo/ult94u74465.shtmlAids

Enquanto cresce o número de pessoas infectadas pelo vírus da Aids no mundo, a Ásia, com 60% do população mundial, tem um dos maiores índices de aumento de infecções pelo HIV, segundo um relatório divulgado nesta terça-feira pelo Unaids (Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids).

“Não estamos avançando, de jeito nenhum”, afirmou o médico Peter Piot, diretor-executivo do Unaids.

“Nunca tanta gente foi infectada pelo HIV, nunca tanta gente morreu, e há uma globalização da epidemia fora da África”, declarou.

Cerca de 38 milhões de pessoas no mundo vivem com HIV/Aids, incluindo 5 milhões que foram infectadas no ano passado, segundo o relatório. A África subsaariana, com 25 milhões de casos estimados, ainda é a região mais afetada, com mulheres e jovens sendo os mais vulneráveis à infecção.

Mulheres

“Globalmente metade de todas as pessoas com HIV são mulheres”, afirmou Piot.

A epidemia matou 20 milhões de pessoas em duas décadas. Dos estimados 6 milhões de pessoas que precisam de tratamento em países em desenvolvimento, apenas cerca de 440 mil recebem os medicamentos.

“A Aids, sem dúvida, ainda é a maior epidemia na história humana”, afirmou Piot durante a entrevista coletiva para lançar o relatório, divulgado antes da 15ª Conferência Internacional de Aids, em Bangcoc (Tailândia), de 11 a 16 de julho.

O relatório adverte que a expansão da epidemia na Ásia, onde 7,4 milhões de pessoas têm o HIV, pode ter implicações globais.

“A Ásia está agora onde a África estava 15 anos atrás”, declarou Piot.

“O crescimento da epidemia vai depender em grande parte da reação dos países. Vão esperar, como a África, até que haja um grande número de mortos ou vão agir agora?”

Ásia

China, Indonésia e Vietnã têm os maiores índices de aumento de infecção na Ásia, enquanto a Índia tem o maior número de pessoas vivendo com HIV, com exceção da África do Sul.

Na África, porém, os índices de HIV parecem estabilizados.

“Não é uma boa notícia porque isso significa que há tanta gente morrendo quanto novas infecções”, disse Piot. “Mas ao menos não continua a crescer como no Leste Europeu e na Ásia.”

O relatório prevê que nos países mais afetados do leste e do sul da África, se os índices de infecção continuarem e os tratamentos em larga escala não forem disponíveis, até 60% dos adolescentes que têm atualmente 15 anos não vão completar 60 anos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *