A Espinhosa Missão do Apologista

Para: MInistério Palavra da Verdade – Enviado por: Antonio em 30/09/2005

O ministério de apologista é talvez o mais espinhoso de todos, pois implica em inevitáveis atritos e dissabores e uma necessidade de persistência que nem sempre temos nestes dias onde tudo é tão veloz e queremos sempre resultados imediatos. Afora o rígido preparo e necessários conhecimentos de exegese, hermenêutica, etc. pois do contrário nem valerá a pena adentrar em campo tão minado quanto o das seitas, que se utilizam da mesma arma que nós, a Bíblia, e muita das vezes com superior habilidade e erudição. O cenário está a cada dia pior, com as seitas já existentes recrudescendo cada vez mais em suas doutrinas heréticas e no descaminho de milhões de almas preciosas, alem das que vão surgindo todos os anos, engrossando o caudal do engano. Algumas modernizaram sua estrutura exterior, seu continente, outras fazem questão de permanecerem estacionadas no seculo 19 impondo pesados jugos de usos e costumes aos seus fiéis mas todas no seu modus operandi, seu conteúdo, estão mais perigosas do que nunca, dissimulando como serpentes uma aproximação com o povo evangélico (seu público alvo predileto), cantando nossos hinos, nos convidando para palestras e congressos, banqueteando-se conosco e até arriscando visistas em nossas igrejas, para uma vez donos de nossa confiança darem o bote no momento oportuno, quando as defesas estão frágeis, raquíticas por inanição do alimento espiritual verdadeiro, não adulterado. Basta de leite falsificado! Acorda povo de Deus, estudem, meditem, comam a Palavra de Deus, leiam literaturas sérias, incluam clássicos como Mackintosh, Spurgeon, Moody, Finney ou apologistas modernos sérios (há muitos ainda). Nossa redenção está muito próxima e Satanás sabe disto, por isso seu desespero em arrebanhar o máximo de almas desatentas. Os que são do Senhor Jesus o inimigo não os arrebata de Suas benditas mãos, mas para ser de Jesus precisa amá-Lo, para amá-Lo precisa guardar Suas Palavras, para guardá-las precisa estudá-las, conhecê-las…
Nós, igreja vacilante, somos os grandes culpados deste cenário sombrio, pois que nos últimos 20 anos preocupamo-nos mais em correr atrás dos zeppelins da prosperidade e do sucesso, do bem-estar dentro dos templos reluzentes, do curandeirismo neopentecostal, do ilusionismo e pirotecnia gospel, do trágico triunfalismo que tomou nossas igrejas de assalto, inclusive as pentecostais tradicionais. É aquele velho ditado dos certames futebolísticos: “Time que não faz, leva!”

[Extraído do Mural de Recados deste site]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *